Piloto que passou 36 dias desaparecido na floresta Amazônica é resgatado e volta para casa, no Pará

> Publicado 07 março - Leitura Read

A aeronave desapareceu em 28 de janeiro; ‘Toninho’ andou por dias até encontrar um grupo de coletores de castanha e conseguir contatar a família.

Foto: Marcelo Seabra/Agência Pará/ Governo do Pará
Foto: Marcelo Seabra/Agência Pará/ Governo do Pará


O piloto Antônio Sena, de 36 anos, que passou 36 dias desaparecido, finalmente foi resgatado e chegou a sua cidade, Santarém, no oeste do Pará, na tarde deste sábado (6). Ele foi ajudado por coletores de castanha em uma área de mata, no município de Almerim. 


Foto: Arquivo Pessoal
Foto: Arquivo Pessoal

O voo


O avião decolou por volta de 12h de 28 de janeiro, do município de Alenquer, em direção a uma área de garimpo de Almeirim. O piloto Antônio Sena, de 36 anos, conhecido como 'Toninho Sena', era o único tripulante e levava mercadorias para o proprietário da aeronave. 


Foto: Arquivo Pessoal
Foto: Arquivo Pessoal


A aeronave era para ter chegado ao destino horas depois e foi dada como desaparecida ainda no dia 28. O Centro de Coordenação de Salvamento Aeronáutico Amazônico da Força Aérea Brasileira e o Serviço de Busca e Salvamento iniciaram as buscas no mesmo dia.


Foto: Arquivo Pessoal
Foto: Arquivo Pessoal


Em 2 de fevereiro, a Polícia Federal abriu inquérito para investigar o desaparecimento. Equipes do Corpo de Bombeiros, da Defesa Civil e das polícias Civil e Militar também se envolveram na operação.


A FAB suspendeu o trabalho de buscas em 7 de fevereiro, sem encontrar vestígios da aeronave, após percorrer 13 mil km² em 86 horas de voo. Dois grupos especializados em buscas, de outros estados, se voluntariaram e continuaram as buscas. 



O resgate


Nesta sexta-feira (5), após mais de um mês de aflição, familiares do piloto receberam ligações informando que o piloto estava vivo. Antônio andou por dias em uma área de difícil acesso até chegar a um local  onde estavam os coletores de castanha.


O grupo de trabalhadores foi até uma área com sinal de rádio e contataram a comunidade onde moram, informando os telefones de familiares do piloto e pedindo que fizessem contato. 


A mãe de Antônio recebeu a notícia e contou a outros familiares, que duvidaram. O irmão dele, Thiago, ligou para o número que havia contatado a mãe e pediu que fizessem perguntas para confirmar a identidade. Após o piloto responder o nome do cachorro da família, os parentes tiveram a confirmação.


O governo do Pará deslocou um helicóptero para buscar o piloto. A equipe de resgate localizou o local após os coletores de castanha acenderem uma fogueira. 


Familiares do piloto compartilharam um vídeo que mostra o sinal de fumaça e a aproximação da equipe de socorro.


Vídeo





Após horas de operação, Antônio chegou a Santarém. O piloto foi recepcionado com festa no aeroporto e, com muita emoção, encontrou amigos e familiares. 


Foto: Marcelo Seabra/Agência Pará/ Governo do Pará
Foto: Marcelo Seabra/Agência Pará/ Governo do Pará


Ele foi levado para um hospital particular para receber atendimento médico. Antônio apresenta sinais de desidratação, fraqueza e tem ferimentos pelo corpo, afinal, foram 36 dias perdido na floresta. 


O jovem afirmou às autoridades que conseguiu fazer um pouso forçado, mas se viu diante de uma mata fechada. Durante uma caminhada pelo local, ele conseguiu ajuda de coletores de castanhas para fazer contato com a família.


"Peguei minha mochila, um saco de pão, algumas coisas e me afastei da aeronave, que tinha muito óleo diesel. Aí peguei uma corda e o que pude pegar que tinha na aeronave e que fosse me ajudar no meio do mato. Não demorou muito e a aeronave começou a pegar fogo. Ela está queimada”, detalhou o piloto.


O estado de saúde do piloto é bom, mas ele foi transportado para um hospital do Estado para realização de exames.


Foto: Arquivo pessoal
Foto: Arquivo pessoal





Redação da Maré.

Anúncio




Páginas

Últimas notícias