Segundo Lorival Luz, CEO global da BRF, essa será uma das maiores transformações no hábito de consumo das pessoas.
                           
Carne produzida em laboratório deverá suprir a produção de proteínas no mundo

Estima-se que nos próximos 20 anos a carne produzida em laboratório, a partir de células de animais, deverá ser a grande responsável pela produção de proteínas no mundo, disse Lorival Luz, CEO global da BRF, uma das maiores empresas de alimentos do mundo, dona de marcas como Sadia, Perdigão e Qualy.

  

 

Carne produzida em laboratório deverá suprir a produção de proteínas no mundo

Em entrevista exclusiva na série UOL Líderes, Luz fala também sobre “vegetarianos flex”, que comem carne de vez em quando; destaca a busca cada vez maior por pratos prontos; alerta para a emergência climática; e diz como a política internacional do governo impacta nos negócios da empresa.


"Estamos no começo, engatinhando. Muita tecnologia tem sido implementada em todos esses alimentos, com diferentes matérias-primas.

 

                              
Carne produzida em laboratório deverá suprir a produção de proteínas no mundo


Recentemente anunciamos uma parceria com a Aleph Farms, uma empresa israelense que faz o cultivo de células.

 

Olhando para o futuro, lembro como o desenho dos “Jetsons” (desenho animado da década de 60) parecia irreal, mas estamos praticamente vivendo isso.

 

                           
“Jetsons”


Não tenho dúvida de que daqui a 20 anos isso será muito importante e será o grande responsável pela matriz de produção de consumo de proteínas no mundo.”


Lorival acredita que não haverá impacto na cadeia agropecuária, visto que a população mundial continua crescendo e chegará a 10 bilhões de pessoas, precisamos discutir como vamos produzir toda a proteína para alimentar essas pessoas, neste caso, haverá espaço para a agropecuária, mas também para essa nova área do cultivo de células.


“Vegetarianos”, mas que às vezes comem carne...

 

                            
Carne produzida em laboratório deverá suprir a produção de proteínas no mundo


“Acreditamos muito nessa transformação. Vemos nas novas gerações muito da indulgência. 

As pessoas não querem só o light, o vegano. Eles são os flex veganos ou os flex vegetarianos. Eles comem o vegetal, mas se permitem uma indulgência em determinados momentos e comem a proteína animal.”


Existem diferenças entre os tipos de produto consumidos no Brasil e os exportados para outros países.

Nos Emirados Árabes e região, por exemplo, eles comem o que se chama de “griller”, que é o galeto, que por uma questão cultural não passa de 1,4 quilo.

 

No Brasil, estamos acostumados com frangos de coxa grande, peito grande. Aqui temos frangos de três quilos.


A produção de alimentos relacionada com o desmatamento e as queimadas na Amazônia:


Temos total consciência e acreditamos que o tema de emergência climática exige a responsabilidade de todos nós. 


Cada um tem que fazer a sua parte. Estamos trabalhando com todos os parceiros integrados para colocarem energia solar, trabalhando nos veículos.


“Eu não tenho dúvida de que todas as empresas têm que atuar dessa forma, e os governos também. É uma responsabilidade de todos.”


Agora, quanto mais o país como um todo fizer, melhor é para a reputação do país.

 

Isso abre portas obviamente para um comércio exterior ainda maior.


Mercado externo

A Europa já foi extremamente relevante, mas hoje para a BRF não é mais. 


Quando surgiram as questões da Operação Carne Fraca, a Comunidade Europeia suspendeu a importação.


Existia um plano de integrantes da Comunidade Europeia visitarem o país, mas não vieram por causa da pandemia. "Eu tenho tranquilidade absoluta sobre os procedimentos da BRF."


Toda relação comercial que temos se inicia de uma relação diplomática entre os países para fazermos acordos bilaterais.

 

Quanto melhor for a relação com um maior número de países, mais as portas se abrem, não tenha dúvida disso. Temos clientes de longuíssima data com vários países. Não fazemos um relacionamento oportunista.


A BRF fechou 2020 com lucro líquido de R$1,39 bilhão depois de amargar um prejuízo em 2019 de R$4 bilhões. 


Trabalhamos em várias dimensões, como cultura da companhia, princípios de qualidade, de integridade, de segurança, inovação, adequação de produtos. 


Aumentamos a base em mais de 140 mil clientes.

 

Com isso, reduzimos a alavancagem, aumentamos a margem, e diminuímos a saída das lideranças da companhia.


Atualmente, o grande desafio que toda indústria está enfrentando é em relação aos insumos de forma geral.

 

Os preços de commodities, matérias-primas, diesel e outros insumos tiveram um aumento significativo nos últimos seis meses. 


Estamos trabalhando para conseguir neutralizar todos esses aumentos.

E, sem dúvida, a carga tributária e a complexidade do sistema tributário brasileiro são diferenciadas do resto do mundo para o lado negativo.

 

Precisamos de uma simplificação, que evite múltiplas interpretações.


Fonte: UOL Economia