Porto-Ilha vai à leilão ainda este ano, segundo a Codern

> Publicado 21 maio - Leitura Read

Com 35.114 metros quadrados, o Porto-Ilha é dedicado à movimentação e à armazenagem de granéis sólidos minerais, especialmente sal.
 
Porto-Ilha será leiloado ainda este ano, segundo a Codern

O Terminal Salineiro de Areia Branca, ‘Porto-Ilha’, como é mais conhecido, será leiloado ainda este ano. Depois de uma série de problemas de manutenção, que causaram sua interdição mais de uma vez, está entre os ativos da Companhia Docas do RN. 

Os investimentos previstos para quem for assumir a operação são estimados em R$160 milhões, devendo gerar mais de 3.200 empregos ao longo dos 25 anos de contrato, entre diretos, indiretos e efeito-renda. 


Como parte do programa de modernização das instalações do Terminal Salineiro de Areia Branca (TERSAB) e para valorizar a estrutura, a Codern, que administra o Porto-Ilha, acabou de investir R$5,2 milhões na compra de um trator de esteira, de uma empilhadeira e de uma pá carregadeira, substituindo os antigos equipamentos. 


Mais modernas e seguras, as máquinas fazem parte de um conjunto de ações para tornar mais atrativos os lances a serem dados no leilão. 


Mas, desde já, eles melhoram a movimentação do Porto-Ilha, além de oferecer melhores condições de trabalho aos funcionários.                                 

Porto-Ilha será leiloado ainda este ano, segundo a Codern

 “Esse terminal é fundamental para a indústria salineira do Rio Grande do Norte, contudo, sua estrutura é antiga e ele enfrenta os ventos, as marés e o peso do sal depositado na prancha de plataforma”, reconheceu o diretor-presidente da Codern, almirante Elis Treidler Öberg. 


Segundo o Almirante, para voltar a ter competitividade regional, Areia Branca demandará um investimento mínimo entre R$150 milhões e R$160 milhões. 


“A proposta é reformular toda a estrutura e permitir que o único berço possa operar com capacidade máxima e sem interrupções provocadas pelo clima. Com isso, em um primeiro momento, seria possível atingir 2,5 milhões de toneladas/ano de movimentação de sal”, estima. 


Acrescenta que como o governo não tem condições de arcar com o valor total, o arrendatário de longo prazo terá que entrar com R$120 milhões e a União, por meio da Codern, já está investindo outros R$60 milhões. 

                                

Em Maceió, a Codern já entregou o terminal MAC10, leiloado em dezembro do ano passado e arrematado pela Timac Agro Indústria. 


“Maceió é um porto com ótimo potencial para crescer e para diversificar suas cargas. 


Como temos outras áreas em avaliação no TCU, é possível que mais terminais sejam leiloados ainda este ano”, afirmou o diretor-presidente da Codern.


Redação da Maré.

Anúncio






Últimas notícias