Primeiro barco autônomo fracassa na travessia do Atlântico

> Publicado 24 junho - Leitura Read

Havia grande expectativa entre os pesquisadores que estudam os oceanos quando o Mayflower 400, iniciou a travessia.

                                  
Primeiro barco autônomo fracassa na travessia do Atlântico

O barco robô MAS 400 Mayflower, o primeiro projetado para cruzar o Oceano Atlântico de forma 100% autônoma, fracassou durante a primeira tentativa de travessia.


O primeiro barco autônomo do mundo, iniciou a travessia do Atlântico em 15 de maio, prevista para durar três semanas. O barco saiu de Playmouth, na Inglaterra, em direção a Massachusetts, nos Estados Unidos. 


O Mayflower 400 é um projeto desenvolvido pela organização marinha ProMare, estabelecida em 2001 para promover a pesquisa e exploração marinha em todo o mundo. 


Segundo o Washington Post que acompanhou a viagem, o “Capitão AI (Inteligência Artificial)” não estava equipado para perceber que o barco estava em perigo e precisava retornar ao porto para obter ajuda. 


Essa ordem teve que vir de alguém em terra em 20 de junho, cinco dias depois da saída.


Brett Phaneuf, cofundador da ProMare, organização sem fins lucrativos de pesquisa oceânica, e codiretor do projeto Mayflower Autonomous Ship, disse ao jornal que  “ainda não sabemos exatamente o que aconteceu, 

mas por muita cautela, temos que recuperá-lo.”


Mayflower recebeu o nome em homenagem ao navio que levou os primeiros peregrinos da Inglaterra em busca de uma nova vida na América. 


Durante a travessia ele deveria fazer uma série de experimentos coletando dados sobre a vida marinha e amostras de plástico.


Apesar do barco robótico ter sido configurado para atravessar os mares sozinho, controlado por inteligência artificial que recebe informações de seis câmaras e 50 sensores, podendo atingir até 20 km/h, no domingo 20 de junho ‘o navio desenvolveu um pequeno problema mecânico, mas significativo para abortar temporariamente a missão’, segundo o Washington Post.


Os pesquisadores que monitoravam a travessia notaram que o  Mayflower 400 começou a navegar com cerca de metade de sua velocidade normal. 

                            
Primeiro barco autônomo fracassa na travessia do Atlântico

Como a embarcação estava prestes a entrar na Corrente do Golfo, com tempestades previstas, os operadores decidiram abortar a missão.


Segundo o jornal, ‘agora ele está navegando em águas internacionais sem barcos-guia para voltar ao porto e tentando evitar o mau tempo para que os engenheiros possam consertá-lo antes de enviá-lo de volta’.


Objetivos da missão

A exploração oceânica é caríssima, e ainda engatinha se comparada à exploração espacial por exemplo. 


E ela não conta com as verbas astronômicas da exploração espacial. 


Por isso a ProMare se juntou à IBM e outras empresas de tecnologia para viabilizar um navio mais em conta para estas explorações.


De acordo com o Washington Post, a ProMare, sediada em Cheshire, Reino Unido, investiu cerca de US$1 milhão em materiais no início do projeto, enquanto a IBM, sediada em Nova York, liderou as partes relacionadas à tecnologia e ciência do esforço. 


Mais de uma dezena de outras organizações doaram equipamentos e outros serviços.


A IBM revelou que quer construir uma frota de barcos autônomos algum dia, a exemplo do que ocorre hoje com automóveis. 


Não se sabe ainda quando será o novo teste do Mayflower 400.


Imagem: https://techxplore.com/

Fonte:washingtonpost.com

Redação da Maré.

Anúncio






Últimas notícias