Terminal de granéis sólidos do Porto de Suape volta a operar

> Publicado 23 junho - Leitura Read

A área dispõe de 72 mil metros quadrados para movimentação e armazenagem de cargas diversas.


Terminal de granéis sólidos do Porto de Suape volta a operar

 

O terminal de granéis sólidos do Porto de Suape, localizado na retroárea do Cais 5 do atracadouro, começou a operar no último fim de semana, depois de dois anos e três meses com as atividades paralisadas. 


Com essa retomada, Suape terá incremento na exportação e importação, tais como açúcar a granel e em sacos, granéis sólidos em geral, como fertilizantes e barrilha (sal branco e translúcido aplicado na produção de vidro, papel, sabão e detergente); coque de petróleo, granéis vegetais, entre outros”, pontua Roberto Gusmão, diretor-presidente de Suape. 


A chegada da primeira carga importada de coque verde de petróleo pelo porto marcou o reinício das operações do terminal, arrendado temporariamente pela empresa M&G São Caetano.


A embarcação com carga importada de coque verde de petróleo atracou no último domingo (20) e a operação de desembarque das 33 mil toneladas do produto teve início quatro horas depois, devendo ser concluída em cinco ou seis dias.



Assinado no último dia 16 de junho, o contrato de transição com a M&G tem duração de seis meses ou até a conclusão do processo licitatório do arrendamento definitivo pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), que ocorrerá em 2022, para exploração do terminal por 35 anos. 


O espaço foi oferecido para arrendamento após a devolução da área pela Agrovia do Nordeste e autorização da Secretaria Nacional de Portos e Transportes Aquaviários (SNPTA). 

 

A M&G São Caetano participou do chamamento público em 2020 e ofereceu o maior preço do certame. O terminal tem capacidade de movimentar de 500 a 600 mil toneladas de carga por ano.


O coque verde de petróleo é usado como matriz energética e pode substituir o carvão como combustível nas indústrias. 

 

A carga é constantemente exportada via Porto de Suape. Já a operação de descarga é uma novidade e difere dos procedimentos de embarque.


O produto é retirado do navio pelos guindastes da embarcação e depositado na caçamba de caminhões por meio de uma moega (equipamento portuário que tem o formato de funil). 

 

A carga segue para ser armazenada no terminal, situado próximo do local de desembarque e esse é um dos diferenciais da operação.



Outro ponto a considerar é o monitoramento de particulados 24 horas/dia. 

 

A M&G contratou duas empresas, uma para o monitoramento terrestre e outra para o marítimo. Esses e outros procedimentos são importantes para garantir que não ocorram danos ao meio ambiente. 


Contamos também com um supressor de particulados sueco que evita a dispersão de partículas durante a movimentação das cargas. 

 

Essas melhorias são baseadas em 15 anos de experiência operando coque de petróleo”, explica Geraldo Lobo, proprietário e CEO da empresa.


A Diretoria de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Suape emitiu recomendações quanto aos procedimentos de segurança que devem ser seguidos, como por exemplo: limpeza constante do cais, quando houver produto no chão; paralisação imediata em caso de chuva ou ventos fortes; instalação de barreiras de contenção para cercamento do espelho d’água ao redor do cais, entre outras providências.

 


Redação da Maré.

Anúncio






Últimas notícias