Estação de Carga no porto de Jaguarão está sob nova administração

> Publicado 09 julho - Leitura Read

De acordo com o MInfra, o terminal possui capacidade para movimentar 1,8 milhão de toneladas de granel sólido e 360 mil toneladas de madeira ao ano.

                                   
Estação de Carga no Porto de Jaguarão está sob nova administração

A companhia WSAM vai administrar uma Estação de Transbordo de Carga (ETC) no porto localizado na cidade de Jaguarão, no Rio Grande do Sul, após contrato formalizado na quarta-feira (7) com o Ministério da Infraestrutura.


Conforme informações da pasta, está previsto o investimento de cerca de R$25,9 milhões em melhorias da infraestrutura do complexo.


Anteriormente, a WSAM já havia solicitado autorização à Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) para explorar um terminal na região, justificando a iniciativa devido à presença de cargas como arroz, soja e eucaliptos, além da possibilidade de aproveitar a malha hidroviária do rio Jaguarão, lagoas Mirim e dos Patos para chegar a destinos como Rio Grande e Porto Alegre. 


O empreendimento no Rio Grande do Sul foi um dos 11 contratos assinados pelo Ministério da Infraestrutura nesta quarta-feira que devem viabilizar R$1,43 bilhão em investimentos nos terminais de uso privado (TUP) de oito estados brasileiros. 


Os valores serão destinados para a exploração de nove áreas, com previsão de uso dos recursos para melhoria da infraestrutura e aquisição de novos equipamentos, entre outras benfeitorias.


Os terminais com contratos assinados pelo ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, e pelo diretor geral da Antaq, Eduardo Nery, estão localizados nas cidades de Aracruz (ES), Barcarena (PA), Itaguaí (RJ), Itaituba (PA), Jaguarão (RS), Manaus (AM), Maragogipe (BA), Santana (AP) e São Luís (MA). 


Por ano, mais de 60 milhões de toneladas de carga sólida devem circular por esses TUPs. 


Os acordos foram assinados com as empresas WSAM, Edlog & Zport, Imetame, Porto São Luiz, Rio Amazonas, Hidrovias do Brasil, PLA, Chibatão, Enseada, Porto Sudeste e Plataforma Logística do Amapá.


"Esses investimentos da iniciativa privada reforçam o acerto do governo federal em investir na simplificação de processos e garantir a segurança jurídica e o cumprimento dos contratos. Além disso, vão gerar empregos e deixar o Brasil mais competitivo", afirmou o secretário nacional de Portos e Transportes Aquaviários, Diogo Piloni.

 

Redação da Maré.

Anúncio






Últimas notícias