Porto de Paranaguá recebe outro navio carregado de milho argentino

> Publicado 27 julho - Leitura Read

Essa é a quarta embarcação que chega ao terminal neste ano trazendo o cereal. Desde janeiro, foram 102.719 toneladas de milho argentino desembarcados.

                                 
Porto de Paranaguá recebe outro navio carregado de milho argentino

O navio Ocean Royal carregando 32 mil toneladas de milho da Argentina chega ao Porto de Paranaguá para atracar nesta quarta-feira (28) às 17 horas e deve iniciar a operação no mesmo dia. 


A empresa responsável é a Fortesolo, que também fez outras três movimentações, dos navios Aurora SB, em maio (35.319 toneladas); Sirius Sky, em junho (36.870); e Interlink Nobility, no início deste mês (30.530).

Segundo o diretor de Operações da Portos do Paraná, Luiz Teixeira da Silva Júnior, os operadores portuários que atuam na descarga do produto possuem equipamentos especializados, o que aumenta os índices de produtividade e atrai importadores.


“O Porto de Paranaguá está capacitado para atender as demandas de mercado, tanto na exportação quanto na importação, e nos mais diversos tipos de carga, atendendo totalmente suas funções, segundo a necessidade dos clientes”, diz Teixeira.


Os berços utilizados para a descarga do milho são destinados para os demais granéis de importação como sal, fertilizantes, trigo, malte e cevada.


O baixo desempenho da lavoura de milho em função das adversidades climáticas, no Paraná e demais estados produtores, aumentou a demanda de importação. O produto será destinado à produção de ração animal.


Segundo o diretor-presidente da Fortesolo, Marco Ghidini, a descarga deve levar cerca de cinco dias. 


Parte do produto vai direto para cooperativas e parte ficará armazenada em Paranaguá.


“A operação exige muito cuidado, pois se trata de produto alimentício. A nossa equipe tem um cuidado especial para que não haja nenhum tipo de contaminação e que o grão chegue aos clientes com total integridade”, afirma.


A quebra da safra brasileira, que afetou a produção do milho safrinha, aumentou a expectativa de recorde nas importações. 


De acordo com o analista Edmar Gervásio, do Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento, a demanda pelo cereal se deve ao alto consumo do produto pela cadeia de suínos e aves. 


“O milho que abastece essas cadeias produtivas é específico para este fim. É produzido no Paraná, Mato Grosso e Goiás. Com a quebra significativa, é preciso comprar o produto de países vizinhos como Argentina e Paraguai”, conta.


O analista explica, ainda, que apesar da expectativa de aumento nas importações, os números são pouco relevantes, se considerado o volume da produção brasileira de milho. 


“O país deve produzir mais de 90 milhões de toneladas, enquanto as importações não devem chegar a dois milhões de toneladas”.


Imagens de arquivo, do desembarque do navio Aurora SB (em maio/2021).


Redação da Maré.

Anúncio






Últimas notícias