Ácido provoca suspensão do cultivo e comercialização de ostras e mexilhões em áreas de SC

> Publicado 31 agosto - Leitura Read

O cultivo de moluscos foi suspenso pela Secretaria de Estado da Agricultura em razão da alta concentração de ficotoxina ácido ocadaico nos animais.

 
Ácido provoca suspensão do cultivo e comercialização de ostras e mexilhões em áreas de SC

 

Dez localidades de Santa Catarina

tiveram a suspensão do cultivo e a comercialização de ostras e mexilhões devido à alta concentração de ficotoxina ácido ocadaico nos animais.

 
  • Continua depois do anúncio


    Nas áreas de Barro Vermelho, Tapera, Sambaqui e Praia do Forte, em Florianópolis; 

  • Praia do Cedro, Praia do Pontal, Enseada do Brito e Maciambu, em Palhoça; Laranjeiras, em Balneário Camboriú, 

  • e Fazenda da Armação, no município de Governador Celso Ramos, estão proibidas a retirada e a comercialização de ostras, mexilhões e seus produtos, inclusive nos costões e em beiras de praias.


Interdição por concentração de ficotoxina ácido ocadaico

Ácido Ocadaico (AO) é produzido por um grupo de microalgas conhecidas como dinoflagelados. Os mexilhões, ao se alimentarem dessas microalgas, acumulam a toxina em sua glândula digestiva, desencadeando a Síndrome ou Envenenamento Diarréico por Moluscos (EDM) no ser humano.

 

A interdição é necessária quando é detectada uma concentração de ficotoxina ácido ocadaico acima dos limites permitidos nos cultivos de moluscos bivalves. 


Quando consumida por humanos, a substância pode ocasionar náuseas, dores abdominais, vômitos e diarreia.


A Cidasc (Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina) intensificou as coletas para monitorar as áreas de produção de moluscos interditadas e arredores.


Os resultados dessas análises definirão a liberação ou a manutenção da interdição. 


Continua depois do anúncio


Os locais de produção suspensos serão liberados somente após dois resultados consecutivos demonstrarem que os moluscos estão aptos para o consumo.


Localidades liberadas parcialmente

Permanecem parcialmente interditadas as áreas de Santo Antônio de Lisboa e Cacupé, também em Florianópolis. 


Nessas localidades está autorizada a retirada e a comercialização apenas de ostras. 


O fato ocorre devido ao resultado positivo para a ficotoxina ácido ocadaico em mexilhões, mas negativo para as ostras.


Redação da Maré.

Anúncio






Últimas notícias