Silo obsoleto será demolido para ampliação operacional do Porto de Paranaguá

> Publicado 19 agosto - Leitura Read

A previsão é que a demolição esteja totalmente concluída no início de 2022.

                                
Silo obsoleto será demolido para ampliação operacional do Porto de Paranaguá


 

O silo vertical, conhecido como “Silinho” está obsoleto e será demolido para ampliação da capacidade operacional do Porto de Paranaguá.


Continua depois do anúncio


O armazém, localizado no lado oeste do cais do Porto, em área nobre de mais de dois mil metros quadrados, está em desuso desde 2009. 


“O Silinho foi inaugurado em 1973 para atender o segmento dos granéis sólidos de exportação. 

Era uma estrutura para até dez mil toneladas de grãos. Há 50 anos, atendia ao propósito. 


Porém, esta capacidade está totalmente incompatível à produtividade que os novos equipamentos são capazes de movimentar hoje”, afirma o diretor-presidente da Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia. 


Continua depois do anúncio


Para se ter uma ideia, cada um dos novos equipamentos carregadores de navios (shiploaders) instalados a oeste do cais tem capacidade para carregar até duas mil toneladas por hora.


A obra teve início no final de junho com a montagem do canteiro e a instalação de tapumes no local. 


Durante um mês, a atividade seguiu com a desmontagem e demolição dos transportadores de correias externos.


Ainda no período, simultaneamente, foram iniciados o corte e a remoção de toda sucata metálica dos equipamentos do silo. 


A etapa tem previsão de término na primeira quinzena de setembro. Na sequência, após a montagem das proteções periféricas, como bandejas e tela fechadeira, será dado início à demolição das células e torre de serviço que compõem o silo. 


Segundo a Diretoria de Engenharia e Manutenção da Portos do Paraná, as obras estão com o cronograma atualizado, sem atraso. 


Continua depois do anúncio


A previsão é que a demolição esteja totalmente concluída no início de 2022.


A empresa, ganhadora da licitação, é a empresa FBI demolidora. A empreiteira foi a que apresentou menor valor para a execução da obra, após o abatimento do valor para a aquisição da sucata dos equipamentos, que também foi objeto de proposta no mesmo certame.


Fotos: Claudio Neves

Portos do Paraná


Redação da Maré.

Anúncio






Últimas notícias