Portos do Paraná apresenta projetos para Nova Ferroeste à comitiva nacional

> Publicado 11 setembro - Leitura Read

A visita faz parte da agenda de apresentação dos estudos preliminares de viabilidade para implantação/readequação da Nova Ferroeste.

                               
Portos do Paraná apresenta projetos para Nova Ferroeste a comitiva nacional


 

Obras e projetos em andamento, para complemento da Nova Ferroeste, nos portos de Paranaguá e Antonina foram apresentados na sexta-feira (10) para a comitiva nacional.


Representantes da Agência Nacional de Transportes Terrestres e dos ministérios da Infra Estrutura e Economia visitaram a sede administrativa da Portos de Paranaguá acompanhados do Grupo de Trabalho do Plano Estadual Ferroviário (GT Ferrovias).


A visita faz parte da agenda de apresentação dos estudos preliminares de viabilidade para implantação/readequação da Nova Ferroeste (EF-277), qualificada no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) pelo Decreto nº 10.487/2020.


“Com os investimentos projetados com as licitações de áreas e o projeto do Moegão, o Porto de Paranaguá terá condição plena de atender toda a demanda projetada pela Nova Ferroeste”, garantiu o diretor-presidente da Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia, anfitrião da comitiva. 


A estimativa do estudo é que se chegue a 38 milhões de toneladas no primeiro ano de concessão.


Segundo o executivo, as visitas constantes são fundamentais para que os projetos estejam afinados. 


“O planejamento deve ser conjunto: o que a ferrovia planeja, junto dos investimentos planejados pelo Governo do Estado e aqui pela Portos do Paraná”, complementou Garcia.


Aos visitantes foram apresentados:

  • os projetos de modernização e ampliação do Corredor Leste de Exportação do Porto de Paranaguá; 

  • a ampliação da capacidade de descarga ferroviária em uma moega exclusiva para atender o modal (Projeto do Moegão); 

  • e as obras de infraestrutura marítima, como a derrocagem de parte da Pedra da Palangana em andamento no Canal de Acesso.


Luiz Henrique Fagundes, coordenador do Grupo de Trabalho do Plano Estadual Ferroviário, está entusiasmado com os projetos em desenvolvimento nos portos paranaenses. 


“A gente percebe que, da mesma maneira que não vai faltar trem para o porto, não vai faltar porto para atender a demanda que virá. A Nova Ferroeste vai trazer uma nova realidade logística para o Paraná”, comentou.


Integrando o GT estadual, João Artur Mohr, representante do Sistema da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), lembrou que o Paraná “é o celeiro do mundo” e que investimentos nos modais reforçam essa vocação.


“O Paraná hoje fornece alimento para o mundo todo. E os portos de Paranaguá e Antonina são importantíssimos para a indústria. 


A gente vê, com todos esses projetos em andamento, que o porto tem se preparado para o futuro. São grandes investimentos que darão suporte para a agroindústria do Estado continuar crescendo”, afirmou.


“O planejamento futuro de curto, médio e longo prazos e os investimentos que são feitos nos portos têm que estar no mesmo compasso do que é feito nos demais modais para que a demanda, que é crescente, seja devidamente atendida, em mar e em terra”, disse o diretor geral da ANTT, Rafael Vitalle Rodrigues.


Para Natália Marcassa, secretária de Fomento, Planejamento e Parcerias do Minfra, esse dimensionamento dos investimentos em ferrovia, rodovia e porto é muito importante.


“A gente está preparando toda uma nova logística. O Plano Nacional de 2035 é integrado com toda essa visão multimodal. 


Ter esse dimensionamento de obras da Portos é fundamental para a gente conseguir entender os investimentos necessários para a ferrovia e rodovia”, comentou.


A secretária especial do Programa de Parcerias de Investimentos do Ministério da Economia, Martha Seiller, destacou a eficiência dos portos do Paraná, que conquistou prêmios do governo federal em reconhecimento à gestão.


“A gente fica muito satisfeito de ver a ampliação que está sendo projetada para os portos em termos de investimentos e a intermodalidade em termos de logística que esse porto proporciona”, afirmou.


Ainda segundo Seiller, a comitiva nacional, junto com o GT Ferrovias, tem o objetivo de entender um pouco melhor o traçado que está sendo proposto para a Nova Ferroeste, para o transporte de carga. 


“Precisamos entender como os projetos podem ser complementares para que a infraestrutura do porto possa contar ainda mais com essa integração”, completou.

 

Da Portos do Paraná


Redação da Maré.

Anúncio






Últimas notícias