Polícia se recusa a atender crianças vítimas de abuso no “Dia da Criança” no Sri Lanka

> Publicado 10 outubro - Leitura Read

“Todos os oficiais de alta patente estão muito ocupados com a chegada de várias autoridades, então, nenhum deles está disponível para registrar queixas"

                               
Polícia se recusa a atender crianças vítimas de abuso no “Dia Nacional da Criança”
Foto Ilustrativa

                                                  

 

Foi o que disse a polícia do Sri Lanka ao se recusar a atender duas crianças e sua mãe, vítimas de abuso, em plena comemoração do Dia das Crianças, ao advogado que as acompanhou a delegacia de polícia para apresentar uma queixa contra seu pai, depois que ele as espancou severamente.


“Disseram-nos que, por ser o Dia das Crianças, a emissora estava se preparando para celebrá-lo”, disse à VICE World News o advogado da família, que pediu anonimato devido à delicadeza do caso.


De acordo com o advogado, eles não foram os únicos sobreviventes de violência doméstica a serem rejeitados por causa das celebrações do “Dia das Crianças”


Eles disseram que várias outras pessoas, incluindo uma senhora idosa que havia chegado para se queixar de agressão, também foram mandadas embora.


“Disse a eles que meus clientes não podem mais morar naquela casa porque há uma ameaça para as crianças. Eles estão sendo abusados. 


A polícia respondeu que todos os oficiais de alta patente estão muito ocupados e várias autoridades estão vindo, então nenhum dos policiais está disponível para registrar queixas", disse o advogado.


“As duas crianças foram abusadas por outro homem, um amigo do pai, continuamente por vários anos. E agora, há três processos judiciais em andamento sobre o assunto. 


Este incidente ocorreu quando um dos membros da família teve teste positivo para covid-19 e toda a família foi colocada em quarentena em casa.”


Anteriormente, quando a mãe da criança abusada ligou para a linha de emergência da polícia imediatamente após o abuso ter ocorrido, a polícia se recusou a intervir devido aos temores da covid.


Esta não é a primeira vez que sobreviventes de violência doméstica - principalmente mulheres e crianças - foram recusados ​​pela polícia que desconsiderou suas reivindicações. 


Os ativistas dizem que isso acontece com frequência e que a causa é uma grave falta de recursos e uma mentalidade generalizada entre as autoridades que não levam a violência doméstica a sério.


“Eles têm recursos extremamente insuficientes. Algumas estações exigem pelo menos 300 policiais na proporção de casos que recebem, mas eles têm apenas 60 ”, disse a advogada e ativista dos direitos da criança Milani Salpitikorala ao VICE World News.


“Eu não culpo os oficiais de solo. Todos esses são problemas de nível de política. E no Sri Lanka, muito dinheiro e recursos são desperdiçados em termos de políticas ”, disse ela. 


“Oficiais de base do tribunal como eu são as únicas pessoas que sabem disso e fazem barulho. Mas ninguém no nível político vai falar sobre isso porque eles não têm ideia.”


No início do ano passado, quando o governo do Sri Lanka impôs o primeiro de seus quatro bloqueios para evitar a disseminação da covid-19, a organização sem fins lucrativos Women In Need (WIN) observou um aumento nos relatos de violência doméstica. 


Apenas no primeiro mês do bloqueio, eles receberam mais de 450 pedidos de ajuda, 75 por cento dos quais eram de sobreviventes de violência doméstica.


Em junho deste ano, a polícia teria tentado demitir uma mulher que reclamava que sua irmã estava sofrendo violência doméstica por parte do marido. “Disseram-me para não separar famílias”, teria dito o policial de plantão à mulher.


Mas depois que a WIN interveio e incentivou a polícia a investigar o incidente, dois policiais foram finalmente despachados para a casa da vítima. 


A vítima foi forçada a permanecer com o marido devido aos bloqueios do covid-19, e os policiais a encontraram gravemente espancada e amarrada.


Em agosto, o vice-inspetor geral da polícia, Ajith Rohana, disse em uma entrevista à TV que, quando se tratava de casos de violência doméstica, “ao contrário dos países europeus, nós [Sri Lanka] temos uma cultura, temos valores e ética. 


Em qualquer circunstância, não vamos separar marido e mulher. Se for uma agressão leve, abuso ou ameaça, não levaremos o caso ao tribunal.”


A declaração atraiu críticas em todo o país.


“É a atitude da polícia”, disse Mariam Wadood, gerente jurídica e de programa do WIN, ao VICE World News. 


“No momento em que você vai à polícia para fazer uma reclamação sobre abuso, eles dizem, 'Tudo bem, então qual é o problema?' Esta é a impressão de oficiais de alta patente, bem como daqueles abaixo.”


Até mesmo as policiais têm a mesma atitude em relação à violência doméstica, acrescentou ela. “Não sei se é apenas [que] quando você se torna um policial e quando você tem essa autoridade, isso influencia suas percepções.”


Fonte: Vice News 

Foto ilustrativa

 

Redação da Maré.

Anúncio






Últimas notícias