Japão atinge o triste recorde de suicídios de crianças durante último ano letivo

> Publicado 14 outubro - Leitura Read

O número foi 31% superior ao do ano letivo anterior, quando 317 alunos morreram.

                              
Japão atinge o triste recorde de suicídios de crianças durante último ano letivo

                          

Suicídios entre crianças japonesas atingiram um recorde durante o último ano letivo, de acordo com um relatório do Ministério da Educação do Japão publicado na quarta-feira (13).


O Japão registrou 415 suicídios entre crianças em idade escolar de 6 a 18 anos durante o ano letivo de 2020 - o maior número desde que os registros começaram em 1974.


Uma série de fatores estava por trás dos suicídios, incluindo problemas familiares, resultados ruins na escola, relacionamento com outras crianças e doenças, informou a emissora pública japonesa NHK. 


O Childline Support Center Japan, uma organização com sede em Tóquio que administra uma rede de linhas de apoio para jovens de até 18 anos, disse que pais e professores devem aumentar os esforços para cuidar das crianças que se tornaram vulneráveis ​​à medida que os ambientes domésticos se tornam mais estressantes durante a pandemia do coronavírus.


"O vírus impediu que eles se envolvessem com outros alunos com os quais se sentissem confortáveis ​​nas atividades escolares e extracurriculares, deixando-os atormentados durante grande parte do dia", disse Junko Kobayashi, diretor representante da organização.


"Gostaríamos que os pais, professores e outros adultos intensificassem os esforços para cuidar das crianças que estão preocupadas e estressadas", disse Kobayashi.


"O aumento de suicídios é extremamente alarmante", disse à NHK Eguchi Arichika, chefe da divisão de crianças e assuntos estudantis do ministério da educação do Japão.


O Ministério da Educação do Japão realiza uma pesquisa anual de escolas em todos os níveis e compila dados sobre suicídios, bullying e evasão escolar.


O relatório de quarta-feira também descobriu que mais de 190.000 alunos do ensino fundamental e médio estiveram fora das aulas por 30 dias ou mais no ano letivo passado, disse a NHK. 


"Os resultados mostram que a pandemia causou mudanças no ambiente escolar e familiar e teve impacto no comportamento das crianças", disse Eguchi. 


"Quero promover esforços para tornar mais fácil compartilhar maneiras em que as pessoas possam encontrar ajuda e garantir que as crianças que não podem frequentar a escola possam continuar aprendendo."


Não está claro o quanto os bloqueios pandêmicos contribuíram para o aumento das faltas escolares. 


As escolas primárias e secundárias foram fechadas no Japão de março até o final de maio de 2020. 


O ano letivo japonês começa em abril e termina em março seguinte.

 

A pesquisa mostrou que cerca de 30.000 alunos ficaram longe da escola por 30 dias ou mais devido a preocupações com a infecção por coronavírus, relatou a NHK.


A International Association for Suicide Prevention and Befrienders Worldwide também fornece informações de contato para centros de crise em todo o mundo.


Fonte: CNN

Redação da Maré.

Anúncio






Últimas notícias