NASA disse, em um comunicado à imprensa, que vai tentar extrair oxigênio do regolito lunar. 

                             
Lua pode conter oxigênio suficiente para 8 bilhões de pessoas, explica cientista

Provavelmente, a Lua contém oxigênio suficiente para 8 bilhões de pessoas sobreviverem por cerca de 100.000 anos, escreveu o pesquisador de solo da Southern Cross University, John Grant, esta semana no The Conversation.


Segundo o cientista, o oxigênio está presente na sua camada superior de solo rochoso, conhecida como “regolito”.


Extrair o oxigênio presente no regolito lunar - o desafio


Um acordo entre a Agência Espacial Australiana e a NASA, assinado em outubro, enviará um rover australiano à Lua através do programa Artemis da NASA para coletar rochas lunares e, como a NASA colocou em um comunicado à imprensa, “ tentar extrair oxigênio do regolito lunar.” 


Os resultados têm o potencial de mudar a civilização – porque se os colonos lunares puderem sintetizar ar respirável in situ, uma base lunar de longo prazo se tornaria muito mais viável.


A tecnologia para a extração, conhecida como eletrólise, já existe e é “um processo bastante simples”, disse Grant.

Na Terra, esse processo é comumente usado na fabricação, como para produzir alumínio. Uma corrente elétrica é passada através de uma forma líquida de óxido de alumínio (comumente chamado de alumina) por meio de eletrodos, para separar o alumínio do oxigênio.

O oxigênio compõe cerca de 45% do solo lunar, observou Grant, mas para extraí-lo dos outros elementos que fazem parte da composição do regolito, como silício, alumínio e magnésio, os cientistas terão que usar muita energia e equipamentos industriais para separá-los.

Para ser sustentável, supõe o cientista, precisaria ser apoiado por energia solar ou outras fontes de energia disponíveis na Lua.

Embora a logística de extração de oxigênio na superfície lunar represente “um grande desafio”, Grant observou que a Space Applications Services, uma startup belga, anunciou planos para construir três reatores e enviá-los à Lua para criar oxigênio via eletrólise.


E isso pode acontecer em breve, se tudo correr conforme o planejado. A empresa disse que planeja enviar seus reatores experimentais para a Lua até 2025 em conjunto com o programa de utilização de recursos in-situ (ISRU) da Agência Espacial Europeia.

 

Fonte: Futurism